ECONOMIA

ECONOMIA -

Têxtil de Guimarães pede insolvência após quebra de 60% nas vendas devido à pandemia

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A têxtil Coelima, de Guimarães, pediu esta quarta-feira insolvência, após ter visto as vendas registar uma quebra «superior a 60%» devido ao impacto provocado pela pandemia.

Em declarações à Lusa, fonte oficial da empresa disse ainda que as candidaturas apresentadas às linhas de crédito Covid-19 não foram aprovadas.

PUBLICIDADE

«A empresa decidiu avançar com o pedido de insolvência, fruto da situação criada pela pandemia, que provocou uma forte redução das vendas e uma pressão sobre a tesouraria insustentável», explicou.

A têxtil deverá agora apresentar um plano de recuperação aos credores no prazo de 30 dias.

Com cerca de 250 trabalhadores, a têxtil de Guimarães integra o grupo MoreTextile, que em 2011 resultou da fusão com a JMA e a António Almeida & Filhos e cujo accionista principal é o Fundo de Recuperação gerido pela ECS Capital.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.