REGIÃO

REGIÃO -

Três carruagens eléctricas sem amianto começam ensaios na Linha do Minho

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

As primeiras três carruagens eléctricas compradas pela CP – Comboios de Portugal à espanhola Renfe já sem amianto começam na quinta-feira a fase de ensaios na Linha do Minho para posterior utilização comercial, disse esta quarta-feira fonte da empresa.

A fonte da CP explicou à Lusa que após a conclusão da fase de ensaios de linha, as três carruagens terão de ser certificadas pelo Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT), sendo que ainda não há previsão para o início das marchas comerciais (oferta de comboios de transporte de passageiros).

PUBLICIDADE

A fonte adiantou que são “as primeiras três carruagens da série ARCO compradas a Espanha, totalmente recuperadas, após a remoção de amianto, reparação e pintura”.

Em Novembro de 2020, em comunicado, a CP informou ter concluído a operação de remoção do amianto nas 36 carruagens compradas à espanhola Renfe que precisavam daquele tipo de intervenção, antes do inicialmente previsto.

Na altura, a empresa adiantou que, das sete locomotivas necessárias para a futura operação da linha do Minho, entre o Porto e Valença, a recuperação de três ficaria concluída até ao final do primeiro trimestre de 2021.

Em Setembro de 2020, a Renfe revelou que o contrato de venda de 51 carruagens à CP por 1,61 milhões de euros estipula que cabe à companhia portuguesa retirar o amianto que existe nalgumas delas, depois de o Jornal Económico ter avançado, com base numa notícia do diário La Voz de Galicia, que o conjunto de comboios usados “envolvem um risco acrescido devido ao facto de entre os seus materiais se contar o amianto”, tendo sido essa a razão que levou a Renfe a abandonar a operação daquelas composições entre a Galiza e o País Basco.

Em 25 de Abril, a Infra-estruturas de Portugal (IP) iniciou o serviço ferroviário de transporte de passageiros com comboios de tracção eléctrica no troço da Linha do Minho entre Viana do Castelo e Valença.

Num investimento superior a 19 milhões de euros, a intervenção compreendeu a electrificação daquele troço da Linha do Minho com cerca 49 quilómetros, entre Viana do Castelo e a fronteira em Valença.

A electrificação da Linha do Minho entre Nine, no distrito de Braga, e Valença foi dividida em duas empreitadas.

Primeiro avançou no troço Nine – Viana do Castelo, concluído em Julho de 2019, e depois na ligação Viana do Castelo a Valença.

Os investimentos na Linha do Minho foram realizados no âmbito do programa de modernização da rede ferroviária nacional Ferrovia2020, comparticipado por fundos da União Europeia, através do Compete 2020.

A modernização do troço entre Nine e Valença representou um investimento de 86,4 milhões de euros, 67,9 milhões de euros comparticipados pela União Europeia e 18,5 milhões de euros de financiamento nacional.

REDUÇÃO DE TEMPO DE VIAGEM

Com a concretização desta última empreitada, a Linha do Minho fica dotada com o sistema de tracção eléctrica em toda a sua extensão (134 quilómetros), entre a cidade do Porto e a fronteira com Espanha, em Valença.

Entre os benefícios da intervenção, a IP aponta “a redução do tempo de percurso em 15 minutos no trajecto entre Valença e Porto, em consequência da utilização de comboios de tracção eléctrica”.

Refere ainda “o aumento da competitividade do transporte de mercadorias, ao permitir a circulação de comboios de mercadorias com 750 metros, e o aumento do número de circulações, passando dos actuais 15 comboios de 300 metros por dia para 20 comboios de 750 metros”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.