JUSTIÇA –

JUSTIÇA – -

Tribunal começou julgamento de acção em que Theatro Circo pede 16 mil euros ao Município de Coimbra

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Não houve acordo entre as partes por recusa do Município de Coimbra. O Tribunal Cível de Braga começou, esta quinta-feira, o julgamento de uma acção em que o Theatro Circo de Braga exige 16 mil euros em Tribunal à Câmara Municipal de Coimbra alegando que não pagou metade do «cachet» da vinda a Portugal da cantora franco-israelita Yael Naim.

Após uma reunião inconclusiva entre os advogados das partes, o Tribunal começou a ouvir as testemunhas arroladas no processo.

PUBLICIDADE

A administradora da empresa municipal bracarense, Claúdia Leite, justifica a acção, explicando que foi combinado com os responsáveis do Convento de São Francisco – a instituição congénere da cidade do Mondego – que os encargos seriam «a meias», actuando a artista a 27 de Janeiro de 2017, em Coimbra, e, no dia seguinte, em Braga.

A responsável adianta que, como já tinha sucedido com a vinda de uma companhia de dança chinesa às duas cidades, seria o Theatro, por razões de “facilidade burocrática”, a pagar a despesa, ficando o Convento de assumir a sua metade.

Uma semana antes da data agendada, o Convento – acrescenta – pediu ao Theatro que o concerto fosse adiado.

“A cantora respondeu-me que tal não era possível porque era a sua última digressão, já que estava com gravidez adiantada. E não quis cancelar o contrato para os dois espetáculos que estavam já anunciados nos media e nas redes sociais”, refere.

Yael Naim, nascida em Marrocos, autora do hit “New Soul”, actuou em Braga, como previsto.

De seguida, e “nos termos acordados”, o Theatro bracarense pediu ao Município de Coimbra que assumisse a sua parte, nunca tendo conseguido falar com o seu Presidente, nem obtido resposta aos e-mails e ofícios que entretanto enviou.

“Não entendo este comportamento atendendo a que somos duas entidades que prestam serviço público e têm os correspondentes deveres”, lamenta.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS