OPINIÃO

OPINIÃO -

Vacina contra a COVID-19: O caminho mais seguro (2)

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Seria de esperar que com a evolução da humanidade a nossa confiança na ciência se tornasse mais robusta. Porém, parece-me que o caminho tem sido trilhado no sentido contrário ao desejável numa sociedade comumente catalogada como a “sociedade da informação”, mas onde a desinformação vai ganhando preponderância nas mais diversas áreas e setores. 

No que toca à desinformação em ciência, os movimentos anti vacinação disseminam-se nas redes sociais e na Internet e a (des)informação espalha-se como metástases, colocando em risco a saúde e, por vezes, a vida de pessoas que acabam, infelizmente, por “comer o que lhes dão” sem questionar ou colocar em causa, não tendo qualquer discernimento ou meios para procurar distinguir o trigo do joio. Em 2019, aliás, a Organização Mundial da Saúde considerou a hesitação vacinal como uma das dez principais ameaças globais à saúde pública. Os movimentos anti vacinas florescem como ervas daninhas no meio do prado, mesmo sabendo-se que a vacinação é uma das formas mais custo-efetivas para prevenir a doença e que, no geral, previne 2 a 3 milhões de mortes por ano no mundo, números que aumentariam em 1,5 milhões se fosse melhorada a cobertura mundial da vacinação.

Sobre as vacinas contra a COVID-19, somam-se os disparates mais sui generis, alimentados, sobretudo, pelos amantes das teorias da conspiração. Já se disse que a “pandemia da covid-19 foi construída em laboratórios e é apenas um plano para que Bill Gates possa plantar um chip que servirá para monitorizar a população humana” ou que a vacina pode alterar o nosso ADN. Enfim, há teorias para todos os gostos que davam um bom argumento para um filme de ficção científica. Entretanto também já foi noticiado que um “enfermeiro testa positivo à covid-19 uma semana após ser vacinado” com a primeira dose, alarmando e semeando-se na opinião pública escusadas desconfianças. Sabe-se, à luz dos resultados obtidos no ensaio de fase III da vacina da Pfizer-BioNTech, que a eficácia da vacina após a primeira dose é bastante inferior à eficácia alcançada com as duas administrações (52% versus 95%).

PUBLICIDADE

Estas vacinas demonstraram ser seguras e eficazes e os efeitos colaterais mais comuns incluem dor no local da injeção, febre, fadiga e dor de cabeça. Apesar do tempo recorde com que chegaram ao mercado, passaram pelos mesmos ensaios clínicos que qualquer outra vacina: Estudos pré-clínicos, ensaios clínicos de fase I, fase II e fase III. Os ensaios de fase III, que antecederam a aprovação das vacinas, visaram determinar se as vacinas impedem a infeção. Envolveram um vasto número de indivíduos divididos em dois grandes grupos: o grupo controlo (a quem é administrado um placebo) e outro que recebeu a vacina em estudo. Os ensaios de fase III da vacina da Pfizer-BioNTech envolveram mais de 36 mil participantes e os da Moderna envolveram 30 mil pessoas, demonstrando uma eficácia de 95% e de 94,1% na prevenção da COVID-19 após a administração da segunda dose da vacina, respetivamente. 

As vacinas da Pfizer-BioNTech e da Moderna foram as primeiras vacinas para o SARS-CoV-2 a serem produzidas. Ambas as vacinas são de RNA, não contêm o vírus nem podem, jamais, provocar infeção. 

O processo de vacinação ainda é longo, porém, há luz ao fundo do túnel. E, agora sim, podemos dizer que tudo há de, um dia, ficar bem.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS