OPINIÃO -

OPINIÃO - -

Vila Verde no combate às alterações climáticas

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Vivemos num tempo em que é urgente tomar atitudes concretas no combate às alterações climáticas.

Se nada se fizer em termos de política ambiental, prevê-se que a temperatura média global aumente entre 1,1ºC e 6,4ºC ao longo deste século. A utilização de combustíveis fósseis, a desflorestação e a agricultura, dão origem a diversas emissões Tais como: de dióxido de carbono (CO2), metano (CH4), óxido nitroso (N2O) e fluorocarbonetos. Os gases com efeito de estufa (GEE) capturam o calor que é irradiado da superfície terrestre e impedem-no de se libertar para o espaço, causando um aquecimento global.

Este aquecimento global tem provocado, como todos temos visto, fenómenos climáticos extremos (como inundações, secas, chuvas fortes e vagas de calor), incêndios florestais, escassez de água, o desaparecimento de glaciares e a subida do nível do mar, alterações nos padrões de distribuição ou mesmo extinção de espécies da fauna e da flora, doenças e pragas das plantas, escassez de alimentos e de água doce e a migração de pessoas que tentam escapar a essas ameaças. De acordo com dados científicos, “os riscos de alterações irreversíveis e catastróficas aumentarão consideravelmente se o aquecimento global for superior a 2°C em relação aos níveis pré-industriais”.

PUBLICIDADE

Nesse sentido é urgente tomar vários tipos de medidas, umas menos rigorosas e relativamente baratas como conservação dos recursos hídricos, modificação da rotação de culturas, utilização de variedades que resistam à seca, planeamento público e ações de sensibilização, e outras mais dispendiosas como aumentar a altura dos diques, relocalizar portos, indústrias e pessoas para longe de zonas costeiras baixas e planícies aluviais.

A União Europeia tem uma estratégia de combate/adaptação às alterações climáticas que tem por objetivo tornar a Europa mais resiliente a estas alterações.

É neste contexto que se insere a Estratégia Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas da NUT III Cávado, integrado na Estratégia Nacional de Adaptação às Alterações Climáticas. Todos os municípios deram o seu contributo para o desenvolvimento de um estudo que teve como objetivo analisar as vulnerabilidades da NUT III Cávado e do seu território às alterações climáticas.

Vila Verde mostra estar atenta a estas questões e foi palco da sua apresentação, recentemente, na Casa do Conhecimento. Nessa sessão o Presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, António Vilela, sublinhou a urgência e a importância deste combate. Nesse sentido fez referência à estratégia global que o Município  vai desenvolver definindo “medidas que vão ao encontro de uma proteção ambiental de forma a minimizar essas alterações” frisando que, “cada vez mais é necessário despertar a consciência dos cidadãos para os feitos nefastos das alterações climáticas e de que todos podemos ter pequenos gestos que farão toda a diferença na proteção e preservação ambiental”. Referiu, ainda, que esta ação de melhoria e mudança ambiental tem por objetivo “ter uma terra verde, onde as pessoas se sintam bem e possam usufruir do nosso excelente património natural”.

Localmente, com uma Estratégia Global Concelhia, integrada numa Intermunicipal, cabe-nos, a cada um de nós cidadãos, dar o seu contributo com cada atitude que tomamos.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.