OPINIÃO

OPINIÃO -

A importância do brincar

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Por Anabela Andrade
Membro cooptado da CPCJ de Vila Verde

O brincar faz parte dos Direitos das Crianças declarados em 1959, pela Organização das Nações Unidas. Hoje, com um ritmo de vida tão intenso, entre escola, trabalho, atividades extracurriculares e afins, o brincar parece passar para um plano irrelevante. Assim, achamos pertinente neste cantinho relembrar a importância do brincar:

PUBLICIDADE

– Aprender – O brincar é a forma de aprender da criança. Desde o seu nascimento que o brincar surge de uma forma natural e espontânea e é através dele que aprendem sobre si próprios, sobre os outros, sobre o mundo que as rodeia;

– Desenvolver competências – Sozinho, com amigos (reais ou imaginários), dentro ou fora de casa, o brincar serve para explorar e desenvolver competências de autonomia, sociais e criativas. Criar laços, ganhar confiança, ensaiar competências e experimentar outros papeis. Ser doutor, pai ou mãe, princesa ou super-herói…

– Tempo de qualidade – Dispensar 5, 10 ou 15 minutos da azáfama do dia a dia para estar com a criança a brincar de uma forma eficaz, entregando-se de facto à brincadeira, poderá ajudar a afastar birras e a ter uma criança mais bem-disposta. Mas, para funcionar, implica uma atenção total à brincadeira e à criança, e não estar ao mesmo tempo ao telemóvel ou a cozinhar.

– Quem manda na brincadeira, é a criança – O adulto, segue as indicações do profissional da brincadeira e está disponível para tudo (que não inclua riscos, claro). Sujar. Desarrumar. Carros ou princesas, caixas de papel que viram castelos. Quantas e quantas vezes vemos uma criança a preferir a caixa do brinquedo, a torná-la num castelo com a sua imaginação fértil e a criar grande divertimento com tão pouco. Não há limite para a imaginação.

– O melhor brinquedo – Será o mais caro? O mais XPTO? Será um tablet, um jogo ou um super-herói que anda e fala? Nada disto! É tão simplesmente o adulto que brinca. Às vezes nem tem que haver brinquedos. As gargalhadas mais divertidas são aquelas que surgem quando nos envolvemos na brincadeira, miúdos e graúdos. Ver um filme com companhia, dançar, cantar, caretas ou cocegas deitados no chão… tantas e tantas formas de passarmos o tempo em conjunto e de partilhar momentos de prazer que ficarão gravados no futuro.

Adultos, estão convencidos? Vamos levar a sério a brincadeira?

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.