AUTÁRQUICAS

AUTÁRQUICAS -

António Esquível (PS): «Queremos libertar Vila Verde das amarras e dos tiques de absolutismo»

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A fechar um ciclo de três mandatos como presidente da Junta de Freguesia de Cabanelas, António Esquível Gomes lidera agora a candidatura do PS à Câmara Municipal de Vila Verde. O candidato refere que o partido não se apresenta como alternativa, «mas sim como a solução para o futuro» de um concelho que, sublinha, «precisa de se libertar das amarras e dos tiques de absolutismo que a actual gestão tem evidenciado».

Em síntese, de forma resumida, quais são as principais prioridades da candidatura?
Não nos apresentamos como alternativa, mas sim como a solução para o futuro de Vila Verde. Temos um perfeito conhecimento das necessidades e dificuldades dos vilaverdenses. Para lhes fazer face, desenvolvemos um programa assente em quatro pilares ou eixos que consideramos fundamentais para o desenvolvimento socioeconómico do Município: capacitar, captar, integrar e promover.

PUBLICIDADE

Capacitar as suas pessoas, dotando-as de ferramentas necessárias que lhes permitam preparar o presente e enfrentar o futuro, através da dinamização de um ensino aprimorado que potencie o conhecimento, a recuperação e capacidade de enfrentar os desafios, bem como o fornecimento de mão-de-obra qualificada que promova a implementação de empreendedoras e indústrias no Município.

Captar, através do desenvolvimento de políticas públicas, pessoas, conhecimento e investimento geradores de riqueza e estruturas essenciais ao desenvolvimento sustentado do Concelho. Integrar os jovens em acções de proximidade, convidando-os a fazer e criar o futuro, sem descurar naturalmente o presente. Queremos reforçar o poder financeiro das Juntas de Freguesia, promovendo a proximidade e dando transparência à gestão da coisa pública.

Por fim, promover o Município de uma forma integrada, plural e activa, exportando Vila Verde para além das fronteiras do Município, através do desenvolvimento de programas e acções comunicacionais, culturais e eventos, catalisadoras de dinamizadores de dinâmicas positivas para os vilaverdenses.

O que é mesmo imprescindível fazer em Vila Verde no próximo mandato?
É necessário fazer o muito que não foi feito ao longo dos últimos longos anos de governação do PSD. De olhar para Vila Verde com olhos de ver e sentir as reais necessidades e problemas do Município. Como e em quê? Para começar há que repensar o modelo de apoio à indústria e à agricultura, promovendo-os, fixando-os, através de modelos de gestão pública.

Reavaliar o ordenamento do Concelho, através da revisão do seu PDM, de forma a repensar a distribuição dos vários tecidos. A rede de transportes públicos, no que respeita à sua frequência e percursos. Requalificar a rede de abastecimento de água e de saneamento, tornando-o funcional 365 dia por ano.

Forçar o poder central a repensar os acessos viários ao Município, promovendo dessa forma a solução para o caos que milhares de vilaverdenses enfrentam diariamente. Promover uma verdadeira política ambiental, aumentando o número de ecopontos, rever o contrato e modelo de recolha, mas também promover uma política de consciencialização dos munícipes para a importância da preservação e tratamento dos lixos.

Por fim, mas provavelmente o mais importante, dotar a Câmara de uma política e gestão transparente, de todos para todos, cujos processos sejam céleres na decisão e eficazes no objectivo de promover apenas e só os interesses das pessoas de Vila Verde.

Se for eleito, qual será a primeira medida a tomar?
Promover a gestão transparente do Município, libertando-o das amarras e dos tiques de absolutismo que a actual gestão tem evidenciado. Queremos e vamos implementar uma gestão onde o rigor e a transparência dos processos, assim como a igualdade de oportunidades e meritocracia, serão trave mestra. Enquanto agentes políticos temos essa obrigação.

Por que devem os vilaverdenses votar em si?
Porque reúno em mim a experiência de gestão pública na Junta de Cabanelas e privada na minha empresa, porque sou um apaixonado por Vila Verde e pelas suas gentes e, acima de tudo, pela vontade e pela certeza de conseguir fazer melhor e diferente. O meu compromisso com os vilaverdenses está e estará sempre alicerçado no trabalho, na dedicação, no empenho e na lealdade.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS