PAÍS

PAÍS -

António Mexia e Manso Neto suspensos de funções na EDP

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O juiz Carlos Alexandre confirmou a suspensão de funções de António Mexia à frente da EDP. No início de Junho, o Ministério Público (MP) pediu a suspensão do presidente da EDP, e do administrador Manso Neto.

A notícia avançada pelo jornal ECO, e confirmada pela TSF, adianta que entre as medidas de coação está a proibição de contactar com os restantes arguidos. No caso de não ser aplicada a referida suspensão, António Mexia fica obrigado a pagar uma caução “de valor não inferior a 500 mil euros”.

António Mexia fica ainda proibido de viajar para o estrangeiro e de entrar em todos os edifícios da EDP.

PUBLICIDADE

Na argumentação de resposta ao agravamento das medidas de coação dos dois gestores da EDP, conhecida no final de Junho, os arguidos acusaram o MP de “fraude, ilegalidade e de querer impor um julgamento sumário”.

No documento, acusam os procuradores de querer impor penas através de um julgamento sumário. Mexia e Manso Neto entendem que o MP “sem provas tenta punir antecipadamente os arguidos, sem acusação e sem julgamento”.

Mexia e Manso Neto garantem ainda que o MP “oculta e ignora deliberadamente provas”.

Os advogados dos dois arguidos tentaram afastar o juiz Carlos Alexandre do caso, alegando parcialidade do magistrado. O Tribunal da Relação de Lisboa recusou o pedido.

O processo, decorrente do processo das rendas excessivas da EDP, está há oito anos em investigação no Departamento Central de Investigação e Acção Penal e tem cinco arguidos: António Mexia, João Manso Neto, presidente da EDP Renováveis, o ex-ministro Manuel Pinho, o administrador da REN e antigo consultor de Pinho, João Faria Conceição, e Pedro Furtado, responsável de regulação na empresa gestora das redes energéticas.

De acordo com informação do Departamento Central de Investigação e Acção Penal são imputados a António Mexia e Manso Neto, em co-autoria, os crimes de quatro crimes de corrupção activa e de um crime de participação económica em negócio.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS