BRAGA –

BRAGA – -

Assaltos ao Santander e a vivendas: arguidos não quiseram prestar declarações ao Tribunal

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Os 10 arguidos que começaram a ser julgados no Tribunal de Braga por assaltos a uma dependência bancária do Santander em Braga e a vivendas no Minho remeteram-se ao silêncio. No total, diz a acusação, os assaltos terão “rendido” 4,7 milhões de euros.

O maior foi ao Banco Santander, em Braga, e ocorreu em 23 de Junho de 2018, durante a noite de S. João. Dos cofres dos clientes do banco terão sido retiradas quantias monetárias e bens de valor total superior a quatro milhões de euros.

PUBLICIDADE

Foram lesados 43 clientes, mas, entretanto, o banco já chegou a acordo com a maioria deles, indemnizando-os, até 100 mil euros, pelos prejuízos sofridos.

Esta segunda-feira, em face do silêncio dos arguidos, o Ministério Público requereu a audição das declarações que seis deles prestaram em sede de primeiro interrogatório e nas quais negaram a prática dos crimes.

A diligência foi deferida pelo coletivo de juízes, apesar da contestação dos advogados de defesa, que chegaram a invocar a irregularidade do acto, por não serem audíveis as perguntas formuladas pela juiz de instrução. A presidente do coletivo deixou para o acórdão final a decisão sobre a valoração ou não das declarações.

Em julgamento, estão nove homens e uma mulher.

Os homens por associação criminosa e furto qualificado, estando alguns também acusados de detenção de arma proibida, falsificação e recetação. A mulher está apenas acusada de furto qualificado.

BANCO EM OBRAS

De acordo com a acusação, o banco estava em obras desde 15 de Junho de 2018 e a porta blindada que trancava a antecâmara existente antes da porta gradeada que dá acesso aos cofres particulares permaneceu aberta até ao dia do assalto.

Uns dias antes, o Santander terá autorizado um dos arguidos a aceder à zona dos cofres particulares, permitindo-lhe assim “estudar” o assalto.

O arguido percebeu que a porta blindada estava aberta e que o alarme estava incativo.

No dia do crime, e aproveitando o barulho na rua resultante do S. João, entrou no banco, pelas traseiras e, durante várias horas, serrou as grades e esvaziou os cofres.

Os arguidos são ainda acusados de assaltos a várias residências, entre as quais as do empresário Domingos Névoa, do cantor popular Delfim Júnior e do médico e antigo atleta do SC Braga Romeu Maia.

Um dos arguidos é um agente da PSP, de Ponte de Lima, que alegadamente funcionaria como informador do gangue, indicando casas a assaltar.

A acusação diz que os arguidos “actuaram em conjunto entre si, como um verdadeiro grupo em que se inserem, de modo organizado, concertado e extremamente metódico, repartindo entre si informação e proveitos, recorrendo a tecnologia que inviabiliza o acompanhamento próximo”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS