VILA VERDE

VILA VERDE -

Assembleia Municipal de Vila Verde aprova documentos de prestação de contas

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Assembleia Municipal de Vila Verde aprovou, este sábado, com 10 votos contra e duas abstenções, os documentos de prestação de contas respeitantes ao ano de 2019.

Na apresentação dos documentos, o Presidente da Câmara, António Vilela, realçou o «rigor, concretização e atenção ao desenvolvimento do Concelho», acrescentando, mais à frente, a «boa execução e saúde financeira do Município».

«Em termos de finanças, o Município está perfeitamente sólido», disse António Vilela.

PUBLICIDADE

«NÃO APRESENTA NADA DE NOVO»

Cláudia Pereira, do CDS-PP, apontou que «o documento não apresenta nada de novo, como na linha dos últimos anos».

Sobre o investimento nas Freguesias, a centrista notou que há «uns com tanto e outros com tão pouco, parecendo existir vilaverdenses de primeira e vilaverdenses de segunda».

«ORÇAMENTOS UTÓPICOS»

Para Carlos Araújo, do PS, foi evidente a «incapacidade de executar o que estava proposto nos orçamentos», deixando críticas ao executivo.

«Este executivo não consegue nem nunca conseguiu e a mudança é, portanto, urgente. É preciso uma nova forma de gerir, pois este executivo não tem como», atirou.

Carlos Araújo foi um pouco mais longe, referindo que o Presidente da Câmara Municipal usa «textos líricos para apresentação do orçamento».

«Orçamentos utópicos só podem resultar num voto contra do PS», concluiu.

«RIGOR NA CAPACIDADE DE EXECUÇÃO DO MUNICÍPIO»

Já Susana Silva, do PSD, realçou as «taxas de execução de 87% e 83%» na receita e na despesa, sublinhando o «rigor na capacidade de execução do Município», a «boa gestão de recursos» e a «aposta no bem estar das famílias e no Concelho».

PERÍODO DE ANTES DA ORDEM AQUECEU A SESSÃO

A sessão – que desta feita teve lugar no pavilhão do Vale – cedo aqueceu (ainda no período de antes da ordem do dia) com o levantamento de algumas questões que têm estado no centro das polémicas no Concelho.

A proposta de atribuição de um subsídio à Aliança Artesanal, a situação do IEMinho, da Escola de Soutelo e ainda a necessidade urgente de requalificação da EN201 e da EN205, que até levou à apresentação de uma moção por parte do deputado do PSD, Filipe Lopes, foram alguns dos temas em destaque.

Mais desenvolvimentos na edição impressa de Julho de 2020.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.