BRAGA

BRAGA -

CDS doa 1,7 toneladas de legumes a instituições de Braga

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Concelhia de Braga do CDS-PP doou 1,200 kg de batatas e 500 kg de cebolas a instituições que diariamente oferecem refeições à população mais carenciada do concelho. Centristas avisam que se avizinham tempos difíceis para os quais “devemos estar preparados”. 

As entidades contempladas foram a Cruz Vermelha, Cáritas e o Colégio Luso Internacional de Braga (CLIB) que “têm desempenhado um papel crucial na distribuição de refeições aos mais carenciados”, afirmam os centristas em nota ao PressMinho/OVilaverdense.

“A sociedade bracarense tem-se mobilizado para esta enorme tarefa de entreajuda e não podemos ficar indiferentes. Vivemos um tempo que nos coloca à prova nas mais pequenas coisas”, afirma Altino Bessa, líder da Concelhia do CDS.

PUBLICIDADE

“Na gíria popular diz-se que “onde todos ajudam, nada custa”. É este o apelo que fazemos: ajudem quem ajuda!”, apela.

Referindo que “o movimento social desencadeado pelas instituições bracarenses no sentido de minimizar as carências sociais que se fazem sentir é digno de louvor”, Altino Bessa recorda a acção desenvolvida “junto dos mais frágeis”,  nomeadamente das cantinas sociais continuam a prestar apoio de refeições quentes, das entidades de cariz social que se desdobram para dar resposta às inúmeras solicitações, e das Juntas de Freguesia que têm levado a cabo “um trabalho peremptório na proximidade e apoio à comunidade nas suas variadas necessidades”,  “não esquecendo entidades particulares como o Colégio Luso Internacional de Braga, por exemplo, que tem desempenhado um papel crucial na distribuição de refeições aos mais carenciados”.

“A onda solidária gerada pelas instituições é a prova de que Braga sabe dar e sabe ser”, diz o presidente da Concelhia, sublinhando que “estas não conseguiriam prestar o devido apoio no terreno se não fossem todos os que diária ou semanalmente fazem doações de bens alimentares”. 

“É a solidariedade dos bracarenses que permite a estas equipas dar continuidade à distribuição de cabazes ou refeições”, frisa, alertando que “o estado pós-pandémico avizinha-se um processo prolongado e, como tal, devemos estar preparados para acorrer às necessidades que vão surgindo diariamente”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS