JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Direcção do Centro Paroquial e Social de Moure não comenta acusação de burla

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Direcção do Centro Paroquial e Social de Moure não quis comentar, para já, a acusação do Ministério Pública de burla tributária, que foi conhecida esta sexta-feira.

«Tendo sido contactada a Direcção do Centro Paroquial de Moure para se pronunciar sobre o conteúdo da acusação deduzida pelo Ministério Público de Braga, à qual os meios de comunicação social tiveram acesso, por se tratar de matéria respeitante a processo judicial em curso, cujo apuramento é da exclusiva titularidade dos órgãos judiciais, e encontrando-se neste momento a ser encetadas as diligências processuais oportunas pelo departamento jurídico da instituição, a Direcção reserva-se no direito de aguardar pelos ulteriores trâmites do referido processo, e, em momento próprio, tomar posição», refere.

PUBLICIDADE

A Direcção da instituição, liderada pelo padre Sandro Vasconcelos, não pretende, para já, pronunciar-se sobre o caso.

Tal como “O Vilaverdense” já noticiou, o Ministério Público (MP) acusou de burla tributária cinco responsáveis do Centro Paroquial e Social de Moure, assim como a própria instituição, por alegadamente enviar à Segurança Social falsas listagens de utentes do lar de idosos.

A Procuradoria-Geral Distrital do Porto adiantou esta sexta-feira, no seu “site”, que em causa estão o presidente, o vice-presidente, o tesoureiro, o secretário e a directora técnica da instituição social (IPSS), tendo os actos ocorridos entre 2013 a 2017.

O MP considerou indiciado que, com esta conduta, «a IPSS obteve indevidamente da Segurança Social o valor total de €163.727,93», pelo que promoveu que os arguidos sejam «condenados a pagar solidariamente tal valor ao Estado, sem prejuízo do ressarcimento da Segurança Social por outra via».

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS