BRAGA

BRAGA -

EDP condenada a retirar linhas eléctricas em cima de casas nas Sete Fontes

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

15 mil euros de indemnização a cada um dos três moradores queixosos. E obrigatoriedade de desviar as linhas de condução de energia eléctrica, com 12 quilómetros de extensão, de cima das casas, na zona do loteamento das chamadas Sete Fontes, em Braga, a poucos metros do monumento com o mesmo nome, o do antigo sistema oitocentista de distribuição de água à cidade.

Foi esta a decisão do Tribunal Administrativo de Braga, confirmada pelo Central do Porto, em sentenças que deram como provado que as linhas de alta tensão emitiam um ruído – do tipo zumbido – que não deixava os moradores em paz, não os deixando dormir no período noturno.

PUBLICIDADE

«Ainda hoje há três pessoas com distúrbios do sono e outros», disse ao JN o advogado José Carvalho Araújo, frisando que os juízes tiveram em conta que o zumbido «viola os direitos de personalidade dos moradores».

A sentença diz que o ruído «causa ansiedade e nervosismo aos moradores e seus filhos, e sublinha que, antes da instalação das linhas eléctricas, os residentes viviam em tranquilidade, sem qualquer perturbação do silêncio».

A decisão judicial – hoje referida pelo JN – tem, ainda, em conta o prejuízo causado em termos de valor das casas, cujo preço de mercado se desvalorizou, por razões paisagísticas, pelo facto de terem os cabos de energia a poucos metros dos telhados.

A linha de condução eléctrica é constituída por duas linhas de alta tensão, cada uma delas com sete cabos, que passam a 16, 18 e 25 metros das moradias.

Contactada a propósito, o Gabinete de Imprensa da EDP-Distribuição garantiu que irá dar seguimento ao decretado pelo Tribunal, procedendo ao pagamento das indemnizações aos três casais que se queixaram.

E acrescenta: «No que respeita ao pedido de retirada das linhas, o cumprimento da execução da sentença não depende exclusivamente de ações da EDP Distribuição, tendo já sido iniciados os trabalhos para estudar e analisar do ponto vista técnico os trabalhos a serem desenvolvidos».

A EDP terá que encontrar terrenos para colocar os postes e obter licenciamento camarário.

A empresa eléctrica sublinha, ainda, que «tem mantido contacto com o advogado dos autores, tendo já recebido os dados necessários para dar cumprimento ao pagamento, situação à qual dará seguimento com brevidade».

MANOBRAS DILATÓRIAS

José Carvalho Araújo acusa a EDP de ter usado «manobras dilatórias» para atrasar a execução da sentença: «perderam duas vezes e ainda recorreram para o Supremo, onde o recurso nem sequer foi admitido. Agora, andam a dizer que pagam, pediram em Junho os dados bancários para faze a transferência, mas nada fizeram».

Os moradores – diz, ainda, o advogado – querem, também, que a EDP retire os cabos eléctricos, de forma a que o problema do ruído deixe de os importunar.

«Se a EDP não cumprir, em Setembro peço ao Tribunal que execute a sentença», adianta.

VENTOS DE 30 KM/HORA

A vibração dos cabos ouve-se sobretudo em tempo de chuva quando os ventos são igual ou superiores a 30 kms/hora, o que sucede em muitas épocas do ano, até porque o local está numa zona alta, o Monte do Cruzeiro. «É um zumbido que não pára e que é super-irritante», dizem os lesados.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS