MUNDO

MUNDO -

Especialistas pedem para acabar urgentemente com mudança da hora

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Especialistas em políticas do tempo que participam na ‘Time Use Week’, de Barcelona, pediram aos países europeus para acabar urgentemente com a mudança da hora de Inverno, prevista para este fim-de-semana, devido ao impacto negativo que tem na saúde da população.

A União Europeia acordou suprimir a mudança da hora em 2019 mas adiou para 2021. Contudo, a decisão acabou por não ser aplicada devido ao desacordo dos seus Estados-membros sobre que fuso horário adoptar em cada país.

Maria Nikopoulou, membro do Conselho Económico e Social Europeu e autora do estudo que esta instituição fez sobre a mudança de horário, lembrou que na legislatura anterior tanto a Comissão Europeia como o Parlamento estavam de acordo e pressionaram para a abolir em 2021. No entanto, alguns Estados-membros argumentaram que “precisam de mais tempo para tomar uma decisão, que envolve muitos actores”.

PUBLICIDADE

Ticia Luengo, co-fundadora da Aliança Internacional pelo Tempo Natural (IANT), uma aliança de associações de todo o Mundo que insta os governos a adoptarem o tempo natural que corresponde a cada país, pediu para pressionar os Estados-membros a tomarem uma decisão e realizar campanhas de comunicação para que a população e os políticos “percebam a urgência deste debate”.

O professor Till Roenneberg, uma das referências em cronobiologia mundial, falou do impacto negativo para a saúde de viver num fuso horário não alinhado com os mesmos relógios biológicos e considerou que “o custo de transição ao implementar este modelo é mínimo”.

Roenneberg deu como exemplo que tanto a Península Ibérica como os Estados Unidos têm horários distintos e as relações comerciais e sociais continuam sem dificuldades, e referiu que os “benefícios humanos são elevados”, algo já demonstrado por muitos estudos.

A co-coordenadora da Barcelona Time Use Initiative, Marta Junqué, opinou que “enfrentar o debate sobre a mudança da hora é um dos compromissos da Declaração de Barcelona e, portanto, nos próximos dois anos membros da IANT e especialistas mundiais vão pressionar os Estados-membros para acabar com a mudança da hora, que tem tantos efeitos nocivos na saúde, no sono e no ‘jet lag’ social que sofremos”.

Portugal vai atrasar os relógios uma hora na madrugada de domingo, dando início ao horário de Inverno, de acordo com a indicação do Observatório Astronómico de Lisboa (OAL).

Na madrugada de domingo (31 de Outubro) em Portugal continental e na Região Autónoma da Madeira, às 2 horas os relógios devem ser atrasados 60 minutos, passando para a 1 hora. Na Região Autónoma dos Açores, a mudança será feita à 1 hora da madrugada de domingo, passando para as 0 horas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.