REGIÃO

REGIÃO -

Esposende organiza arquivo para valorizar a memória e a identidade

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Enquanto decorrem as obras de adaptação do antigo quartel da GNR de Esposende para acolher o novo Arquivo Municipal, o Município está a proceder ao «tratamento arquivístico» de toda a sua documentação.

Trata-se de um processo «moroso» que contempla, numa primeira fase, o estudo orgânico-funcional das instituições, cuja documentação o serviço de arquivo da Câmara Municipal preserva, desde a sua fundação até aos dias de hoje, e que se torna essencial para a «identificação e compreensão dos fundos, dado que, intimamente ligado à história das instituições, está a sua documentação», explica o Município de Esposende em nota enviada.

Paralelamente a este processo, encontra-se em «fase de conclusão o recenseamento da documentação do arquivo histórico», etapa que se irá estender à restante documentação do arquivo intermédio.

PUBLICIDADE

ARQUIVO MUNICIPAL

A criação do novo Arquivo Municipal, que corresponde a um investimento de «526 mil euros, possibilitará conferir melhores condições de acomodação do acervo que se encontra disperso por diversos espaços municipais, sendo que a mudança de instalações implicará também a implementação de novos modelos de gestão documental». 

O futuro espaço estará dotado com «valências tecnológicas que facilitem a consulta, a pesquisa, a investigação e contribuam para o melhor conhecimento da História local».

O Município pretende, assim, continuar a «valorizar a memória e a identidade locais e nacionais, difundindo o seu património arquivístico e promovendo o acesso à educação, cultura e conhecimento, contribuindo para a construção de uma cidadania participativa e democrática».

DOCUMENTOS

Dos documentos presentes no arquivo histórico destacam-se a Carta Régia que elevou Esposende a Vila (1572); a Carta de Vizinhança com Barcelos (1573); a Carta de Almotaces (1574); o Livro de Registo de todas as Obrigas (desde 1611); o Livro de Registo dos Acórdãos da Câmara (desde 1639); Expostos (desde 1774); os Livros de registo de passaportes (desde 1839); os Livros de Recenseamento Militar (desde 1850); Educação (desde 1840); Recenseamento Eleitoral (desde 1822), Impostos do pescado (desde 1931); entre outros.

PEDIDOS PARA CONSULTA

Para além do tratamento técnico da documentação, e apesar de todos os constrangimentos motivados pela actual situação pandémica, o serviço de atendimento registou, em 2020, cerca de «2000 pedidos, maioritariamente realizados em regime presencial, distribuídos por buscas, consultas e digitalização de documentação».

Encontra-se também disponível no portal do Município, através da hiperligação https://www.municipio.esposende.pt/pages/1530, a agenda de marcações para consulta de documentação associada a Obras Particulares, fatia mais expressiva das solicitações realizadas ao Serviço de Arquivo. 

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS