OPINIÃO

OPINIÃO -

Fátima, sempre foi, já é e será sempre mais (58). As imagens peregrinas de Nossa Senhora de Fátima 

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A imagem centenária da Capela das Aparições começou logo a ser muito solicitada para visitar várias zonas do país e do estrangeiro, saindo, como já se referiu, 12 vezes.

Segundo algumas fontes consultadas, a imagem centenária saiu, apenas, em ocasiões muito especiais:

PUBLICIDADE

1ª – 7 a 13 de abril de 1942 – Encerramento de um Congresso levado a efeito pelo Conselho Nacional da Juventude Católica Feminina, em Lisboa.

2ª – 22 e novembro a 24 de dezembro de 1946 – Nos 300 anos da proclamação de Nossa Senhora da Conceição como Padroeira de Portugal, percorrendo a Estremadura, o Ribatejo…

3ª – Nos meses de outubro de 1947 e janeiro de 1948, a imagem de Nossa Senhora foi levada ao Alentejo, Algarve e Badajoz (Espanha).

4ª – No dia 22 de maio e no dia 2 de junho de 1948, visita Madrid e outras localidades de Espanha no âmbito do Congresso Mariano Diocesano.

5ª – De 9 de junho a 12 de agosto de 1951, todas as paróquias da Diocese de Leiria tiveram a honra de receber a imagem.

6ª – No dia 17 de maio de 1959 esteve presente na inauguração do Monumento a Cristo Rei em Lisboa (Almada). Nesta cerimónia conduzida pelo Cardeal Cerejeira, estiveram presentes o Almirante, Américo Tomás, Presidente da República e sua esposa Gertrudes Tomás; o Dr. António Oliveira Salazar, Presidente do Conselho de Ministros e outros membros do Governo, Episcopado português e brasileiro e outras personalidades de relevo, assim como muitos milhares de fiéis.

No momento em que o Cardeal Cerejeira consagra Portugal ao Sagrado Coração de Jesus e Sagrado Coração de Maria, Américo Tomás e Salazar, assim como outras personalidades, mantiveram-se ajoelhados.

Os bispos portugueses, após um ano do início da segunda guerra mundial (20 de abril de 1940), reuniram-se em Fátima, num retiro, tornado público que «se Portugal fosse poupado da Guerra, erguer-se-ia sobre Lisboa um Monumento ao Sagrado Coração de Jesus…» Portugal assumiu uma posição de neutralidade, começando a Igreja a angariar fundos para o cumprimento da promessa, adquirindo o terreno em 1941. Graças ao êxito da recolha de fundos, a 18 de dezembro de 1949, foi lançada a primeira pedra para o início das obras do monumento da paz.

7ª, 8ª e 12ª – Nos dias 24 a 27 de março de 1984, 6 a 8 de outubro de 2000 e 12 e 13 de outubro de 2013. Assunto já salientado na crónica anterior.

9ª – No dia 12 de novembro de 2005, no momento da Consagração da cidade de Lisboa a Nossa Senhora de Fátima, deslocação integrada no “programa religioso do Congresso Internacional para a Nova Evangelização que decorreu de 5 a 13 de Novembro.”

10ª – Nos dias 16 e 17 de maio de 2009, no cinquentenário do Santuário Nacional de Cristo-Rei.

11ª – De 21 a 23 de maio de 2010, na “Festa da Fé” na cidade de Leiria a pedido do Bispo de Leiria-Fátima, D. António Marto.

As treze imagens peregrinas

Os responsáveis pelo Santuário de Fátima, querendo preservar a imagem original da Capela das Aparições que deveria ser mais protegida e atendendo aos inúmeros pedidos de visitas pelos devotos de todo o mundo, foram mandando esculpir, ao longo do tempo, 13 imagens peregrinas, número simbolicamente fixado, dia das Aparições de Nossa Senhora aos pastorinhos de Fátima.

Segundo o historiador, Dr. Daniel Duarte, diretor do Departamento de Estudos e do Museu do Santuário de Fátima, a primeira imagem peregrina foi executada pelo mesmo artista, José Ferreira Thedim que entalhou a imagem da Capela das Aparições. Antes de dar início à construção da imagem peregrina nº1, encontrou-se com a Lúcia que lhe deu indicações mais precisas sobre a Virgem de Fátima. Desta maneira, diz o historiador, Dr. Daniel Duarte, «é muito mais próxima das indicações da Lúcia do que a própria imagem da Capelinha das Aparições.»

Esta primeira imagem peregrina percorreu os Continentes, dando a volta ao mundo várias vezes, A partir do ano de 2000, dificilmente sairá da Basílica de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, dando lugar às outras suas doze irmãs que, entretanto, foram esculpidas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS