60º ANIVERSÁRIO DO GRUPOGrupo Casais preocupado com escassez de Recursos Humanos Qualificados

60º ANIVERSÁRIO DO GRUPO
Grupo Casais preocupado com escassez de Recursos Humanos Qualificados

Para assinalar o seu 60º aniversário, o Grupo Casais realizou, esta manhã, o seminário “Os desafios do crescimento económico: o aumento da produtividade e da capacidade instalada na fileira da Construção”. No evento foram debatidos temas como a qualificação e a captação de mão-de-obra para a construção, bem como os desafios da digitalização e a industrialização dos processos construtivos.

O presidente da Casais Engenharia e Construção, António Carlos Rodrigues, alertou na sessão que «a crise profunda e prolongada que o sector atravessou destruiu valor. De cada vez que uma empresa encerra, “arrasta” consigo uma série de outras subcontratadas, criando a ideia de um sector em extinção e pouco atractivo aos jovens que buscavam formação superior. Com a economia e a construção em crescimento, a capacidade instalada da indústria está muito aquém do que é necessário».

Para o responsável, o crescimento sustentado da indústria e da própria economia só se faz com um aumento da produtividade, sendo que, para tal, é preciso investir na inovação e na adopção de processos construtivos mais eficientes, a par de mais recursos.

PUBLICIDADE

«É necessária a entrada de imigrantes no nosso país para a construção, para a indústria e até mesmo para o sector do turismo”, defendeu.

Presentes no seminário estiveram o presidente da InvestBraga, Carlos Oliveira, o presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário, Reis Campos, o bastonário da Ordem dos Engenheiros, Carlos Mineiro Aires, o presidente da Câmara Municipal de Braga, Ricardo Rio, o ex-reitor da Universidade do Minho e professor catedrático, António Cunha, o presidente da Casais Engenharia e Construção, António Carlos Rodrigues, o presidente da Associação Portuguesa de Projectistas e Consultores, Vítor Carneiro e o reitor da Universidade do Minho, Rui Vieira de Castro.

VOLUME DE NEGÓCIOS INTERNACIONAL

No ano passado, o Grupo teve um volume de negócios internacional de 215 M€, sendo o mercado angolano o que mais contribuiu para o mesmo, representando 38% da facturação.

No entanto, nos «piores anos da crise no sector, o reforço da internacionalização foi um dos vectores da estratégia do Grupo Casais para, não só sobreviver, mas continuar a crescer».

ANIVERSÁRIO

Em dia de aniversário, António Carlos Rodrigues congratula-se pela «implementação e instituição de valores que respeitam as dimensões profissionais e humanas dos seus colaboradores».

«Num contexto de maior mobilidade, apostamos na construção de conhecimento e, para isso, desenvolvemos uma estratégia para as pessoas. A Casais afirma-se cada vez mais como uma empresa que constrói carreiras», concluiu o presidente da Casais Engenharia e Construção.