REGIÃO

REGIÃO -

Instituto Politécnico de Viana do Castelo vai trabalhar “lado a lado” com profissionais da área da restauração

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O IPVC vai dar apoio nas áreas das competências digitais, da inovação e dos novos modelos de negócios a profissionais da área da restauração da região Norte. O Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) e os parceiros da Irlanda, Eslovénia, Espanha e França viram aprovado o Projecto “EcoSME – Business Sustainability Skills for SMEs in the Hospitality Sector”, no âmbito do Programa Erasmus+, acção KA220-VET – Cooperation partnerships in vocational education and training.

Posto isto, até 2024 o IPVC vai dar apoio nas áreas das competências digitais, da inovação e dos novos modelos de negócios a profissionais da área da restauração da região Norte. «A gastronomia tem um impacto muito forte na região e com a pandemia muita coisa se alterou. Com este projecto, o Politécnico de Viana do Castelo vai trabalhar lado a lado com as unidades da região, sendo que a maioria são pequenas empresas», explicou o coordenador do projecto no IPVC. Carlos Fernandes adiantou que a primeira reunião com os parceiros está marcada para «Novembro e aí serão definidas todas as acções de trabalho».

O projecto agora aprovado «vai ao encontro do crescente reconhecimento do papel e da importância das competências digitais, inovação e novos modelos de negócios, bem como das oportunidades que estas competências representam para uma mais rápida e melhor integração dos profissionais de turismo no mercado de trabalho e para a melhor e mais eficiente comunicação e colaboração entre todos os intervenientes do sector».

PUBLICIDADE

Para o coordenador do projecto, «o desenvolvimento destas competências, fundamentais para profissionais, empresas e organizações, contribui de forma decisiva para o reforço da competitividade e da sustentabilidade do ecossistema de hospitalidade e turismo».

O docente do Politécnico de Viana do Castelo sublinhou ainda que é objectivo do projecto «contribuir para o reforço do reconhecimento destas competências, nomeadamente das competências digitais e do seu papel no contexto da sustentabilidade (negócios, meio ambiente e sociedade), e para a criação de condições para o seu desenvolvimento, identificando as melhores práticas, e envolvendo todos os intervenientes nos ecossistemas regionais, designadamente as empresas».

O projecto, acrescentou Carlos Fernandes, «aposta na construção de parcerias entre agentes de ensino (profissional e superior), onde se destaca o Politécnico de Viana do Castelo, e indústria no sentido de enraizar a inovação e o empreendedorismo como dimensões essenciais da aprendizagem e da formação dos profissionais do setor, em consonância com as prioridades europeias e os valores das Regiões Europeias da Gastronomia».

A gastronomia «tem um impacto muito forte na região e esta é a forma do IPVC colaborar com estas empresas para serem mais competitivas», defendeu o docente do IPVC, evidenciando aqui os restaurantes, as quintas que promovem o enoturismo e até as empresas que transformam alimentos, como é o caso do fumeiro.

O público-alvo inclui assim pequenas e médias empresas em turismo e hospitalidade (sector de alimentos e bebidas/hospedagem) e representantes do sector e redes/networking e do ecossistema do turismo.

Com a pandemia, «as tendências de consumo alteraram-se e este projeto também vai dar competências para sensibilizar os empresários para este novo consumidor, que é preciso trabalhar de forma diferente», alertou.

Cada um dos países envolvidos no projecto já teve uma região designada de Região Europeia da Gastronomia. No caso de Portugal, o Minho foi a região escolhida em 2016. De destacar que a candidatura do Minho-2016 Região Europeia da Gastronomia foi desenvolvida no contexto do Mestrado em Turismo, Inovação e Desenvolvimento do IPVC em colaboração com a Confraria dos Gastrónomos do Minho, sob a coordenação do professor Carlos Fernandes. Entretanto, foi celebrado, em junho de 2020, o protocolo de colaboração entre o IPVC e a Confraria dos Gastrónomos do Minho.

No projecto agora aprovado, o Politécnico de Viana do Castelo conta também com a colaboração, na parte mais cultural, da Confraria dos Gastrónomos do Minho.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.