AMBIENTE –

AMBIENTE – -

Islândia perde primeiro glaciar devido ao aquecimento global

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Islândia perdeu, oficialmente, o seu primeiro glaciar devido ao aquecimento global. Okjökull, ou ‘Ok’ como muitos o apelidaram por ter uma pronunciação mais fácil, desapareceu este fim-de-semana e o país realizou um funeral, de forma a alertar para o aquecimento global que se tem feito sentir.

Uma placa de bronze foi colocada por cerca de 100 pessoas, numa encosta nua que em tempos estava coberta com o gelo do glaciar mais conhecido da Islândia, e que ocupa as paredes com quadros de muitas habitações na região oeste do país.

De acordo com o jornal ‘The Guardian’, os cientistas avisaram que outras centenas de camadas de gelo, que outrora foram glaciares, podem vir a ter o mesmo destino que ‘Ok’.

PUBLICIDADE

No ano em que Julho foi o mês mais quente, a primeira-ministra islandesa, Katrin Jakobsdottir, e a antiga comissária dos Direitos Humanos da ONU, Mary Robinson, além de diversos cientistas, fizeram questão de estar presentes quando a placa em comemoração de Okjökull fosse colocada.

“Espero que esta cerimónia seja uma inspiração, não só para aqueles aqui na Islândia, como para o resto do mundo. Porque o que estamos a ver aqui é apenas uma faceta da crise climática”, afirmou a primeira-ministra da Islândia. Com a classificação de 300 glaciares ao longo da História, a Islândia já perdeu 56 desde o início do século XXI, sendo Okjökull o mais reconhecido mundialmente.

A placa colocada no local para relembrar a existência de ‘Ok’ refere a homenagem como “uma carta para o futuro”, cujo objectivo é aumentar a consciencialização sobre a perda de glaciares e os efeitos das alterações climáticas que estão a acontecer em diversos pontos do mundo.

“Ok é o primeiro glaciar da Islândia a perder o estatuto como glaciar”, lê-se na inscrição, sendo que perdeu o estatuto em 2014 mas em 2019 desapareceu oficialmente. “Nos próximos 200 anos, estima-se que todos os nossos glaciares sigam o mesmo caminho. Este monumento serve para reconhecer que nós sabemos o que está a acontecer e o que precisa de ser feito”, continua a inscrição na placa.

“Apenas tu sabes se conseguimos fazê-lo”, termina, assinando com a data de agosto de 2019 e “415 ppm CO2”, que refere ao nível recorde de concentração de dióxido de carbono (CO2) que se registou na atmosfera no mês de Maio de 2019.

Todos os anos, a Islândia perde 11 mil milhões de toneladas de gelo. Os cientistas que têm estudado as alterações climáticas e os efeitos que estas têm no mundo, estimam que todos os glaciares da ilha desapareçam até 2200. Actualmente, os glaciares existentes cobrem perto de 11% de toda a superfície da Islândia.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS