VILA VERDE –  José Morais lamenta não inclusão da variante no OE e critica Câmara por não «conseguir influenciar politicamente»

VILA VERDE –
José Morais lamenta não inclusão da variante no OE e critica Câmara por não «conseguir influenciar politicamente»

O vereador do PS na Câmara de Vila Verde José Morais assume o «desagrado» por a variante à Estrada Nacional 101 não ter sido contemplada no Orçamento de Estado para o próximo ano e responsabiliza a autarquia «por em 20 anos não ter conseguido influenciar Governos» a avançar com a obra.

«Lamento e manifestei a quem de direito a ausência deste importante investimento no Orçamento de Estado para 2019», refere, em comunicado, onde diz que «o anterior Governo PSD deu uma enorme machadada na canalização de fundos comunitários para vias rodoviárias, que se tivessem sido devidamente aproveitados permitiriam o financiamento do alargamento das redes rodoviárias do país».

PUBLICIDADE

«Um dos grandes entraves a um maior desenvolvimento económico de Vila Verde e a um salto significativo na qualidade de vida e criação de emprego prende-se, claramente, com a falta de vias de rodoviárias que facilitem a circulação de bens e pessoas por todo o concelho», frisa.

Por isso, para Morais, a construção da variante à EN 101 é «essencial para o desenvolvimento do concelho», pelo que «este anseio deve unir todas as forças vivas» de Vila Verde.

CRÍTICAS À CÂMARA

No comunicado, o vereador do PS diz que, em 20 anos de poder autárquico e sucessivos Governos do PS e PSD, «a Câmara de Vila Verde nunca teve capacidade de influenciar politicamente o poder central nem conseguiu justificar a necessidade da realização da Variante à EN101, ao contrário de outros concelhos onde essas vias existem», como Ponte da Barca, Arcos de Valdevez ou Ponte de Lima».

«A Câmara só toma posições públicas sobre a Variante contra os Governos, quando estes são do Partido Socialista. Quando os Governos são do PSD mantém uma posição subserviente e um silêncio ensurdecedor», acusa.

Morais refere ainda que «o mau estado de conservação das estradas concelhias, tema que preocupa todos os vilaverdenses, deveria no Orçamento Municipal ter uma maior atenção, o que não acontece».

«Estes comunicados da Câmara, desgarrados, e emitidos nesta altura não passam de uma cortina de fumo para esconder essa falta de estratégia e ausência das tão necessárias obras de requalificação nas vias rodoviárias municipais. “Bem prega Frei Tomás, faz o que ele diz, não faças o que ele faz”», diz o vereador socialista.

A terminar, o líder do PS acusa a autarquia de, ao longo dos últimos anos, apostar «na política das festas e festinhas, em detrimento de projectos estruturantes para melhoria da qualidade de vida dos vilaverdenses e desenvolvimento do concelho de Vila Verde».

O comunicado de José Morais surge depois de o executivo social-democrata, liderado por António Vilela, ter-se mostrado «indignado e inconformado» com a não inclusão da variante à EN 101 na proposta de Orçamento de Estado para 2019.