JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Ministério Público pede prisão efectiva para cinco dos doze arguidos julgados por tráfico de drogas em Braga

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O procurador do Ministério Público pediu esta segunda-feira, no Tribunal de Braga, nas alegações finais, uma pena de prisão efectiva para cinco dos 12 arguidos julgados sob a acusação de venderem estupefacientes na cidade.

Os cinco arguidos fazem parte de um grupo de sete que estão em prisão preventiva. Quanto aos outros dois, o magistrado pediu a absolvição de um e a condenação a pena suspensa de outro arguido – defendido pelo advogado João Ferreira Araújo.

PUBLICIDADE

Para os restantes cinco foi, também, solicitada a aplicação, pelo colectivo de juízes, de uma pena inferior a cinco anos, logo susceptível de ser suspensa.

O julgamento decorreu no Centro Cívico de Palmeira, por razões de segurança sanitária.

A acusação diz que traficavam estupefacientes nas zonas de Maximinos e de Ferreiros, mormente junto a cafés e pastelarias, junto à Escola Frei Caetano Brandão, ao pavilhão desportivo de Ferreiros, ao estacionamento do hipermercado L.Eclerc, no Parque Radical ou perto da loja dos CTT e da estação de comboios.

Recorriam ainda, de noite, às gasolineiras da Repsol, da BP, ao parque do Continente e às zonas de Gualtar e de Gondizalves. Iam, também, ao bairro das Parretas e estendiam-se a Martim e Pousa, em Barcelos.

Para além dos telemóveis, usavam as redes sociais, o Messenger, Instagram, WhatsApp, Snpachat e Telegram.

A acusação diz que vendiam cannabis (resina), heroína, cocaína e MDMA (ecstasy) para consumo ou revenda.

O MP aponta dois arguidos, em cada caso, como os fundadores de redes que se expandiram.

Ao todo, a investigação detectou mais de 500 vendas – por cinco a 10 euros, em regra, mas, que podiam chegar aos 80 no caso de “barras”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS