BRAGA

BRAGA -

Nova ‘Praça’ abriu portas a uma vida moderna este sábado em Braga

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Uma nova ‘Praça’ que resulta da requalificação integral do Mercado Municipal de Braga abriu as portas este sábado, após um investimento de 6 milhões de euros, além de mais 500 mil em equipamentos.

O novo mercado, “um dos projectos prioritário” para a cidade, reúne as novas exigências destes espaços comerciais, aliando uma maior funcionalidade à atractividade.

PUBLICIDADE

“A intervenção a que o mercado foi sujeito teve o condão de valorizar um espaço utilizado por milhares de bracarenses, trazendo melhores condições para os comerciantes numa perspectiva de modernidade, higiene e segurança, compatíveis com as exigências actuais de uma cidade como Braga”, afirmou Ricardo Rio, presidente da Câmara Municipal, durante a inauguração do equipamento.

Segundo o autarca, este foi, também, um “investimento estratégico” para a regeneração urbana da cidade e que “resultou num projecto único e transformador de toda a zona envolvente”.

“Restabelecemos a relação intrínseca entre a cidade e o Mercado, melhoramos as condições de funcionalidade, reestruturamos a circulação automóvel e a rede viária em torno do equipamento, de forma a beneficiar a logística e a mobilidade dos utilizadores”, referiu, salientando que se transformou “uma estrutura insuficiente e pouco adaptada ao nosso quotidiano, para dar lugar a uma Praça adequada à vida moderna, reaproveitando todas as suas potencialidades como espaço indispensável na vida da cidade”.

NOVAS VALÊNCIAS

A nova ‘Praça’ continua a servir o propósito do mercado municipal, mas modernizada de forma a responder às exigências de segurança, higiene e saúde em vigor, e às actuais dinâmicas de negócio.

O equipamento conta com quatro padarias, 15 talhos (dois deles duplos), quatro espaços dedicados à charcutaria, bancadas para a peixaria, 215 metros quadrados reservados a produtores, 12 lojas interiores e duas exteriores de venda de produtos diferenciados, quiosques para refeições, um restaurante com cozinha autónoma, zona técnica para os talhos e lojas equipada com arcas frigoríficas, vestiários e casas de banho, bem como quatro salas polivalentes para a realização de formações, workshops, ‘showcookings’ e apresentação de produtos e um armazém para deixar as compras e as recolher posteriormente.

“Quisemos trazer novas valências para o Mercado, de forma a valorizar o equipamento e atrair novos públicos. Tivemos em consideração as alterações dos hábitos de compra dos consumidores, o que nos obrigou a adaptar o funcionamento do mercado tradicional às novas necessidades de procura, não apenas para fidelizar clientes, mas também para captar novos segmentos de população”, sublinhou Olga Pereira, vereadora com a responsabilidade de gerir os equipamentos municipais.

A vereadora lembrou ainda que o Executivo Municipal não investiu apenas na requalificação do edifício da Praça, “mas também na manutenção de toda a actividade comercial através do mercado provisório, que permitiu que não se extinguissem os operadores e os hábitos de comprar no Mercado Municipal”.

ORGANIZAÇÃO DE ESPAÇOS

A nível de organização do espaço e distribuição de usos, a ‘Praça’ é totalmente coberta e compreende toda a área comercial acessível ao público. A ala Nascente dedica-se ao novo uso de restauração e comércio de produtos gourmet, enquanto a ala Sul continua a ter o seu piso 0 dedicado aos talhos, passando o piso inferior a usar-se para fins logísticos de cargas e descargas e foi criado um piso superior com quatro salas polivalentes.

A ala Poente mantém o seu uso de talho no piso 0 e peixaria no piso inferior, reorganizando-se com o mínimo de alterações possível o restante piso inferior e criando-se um túnel de acesso à praça para cargas e descargas.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS