ECONOMIA

ECONOMIA -

Patrões do Minho veem com ‘bons olhos’ intenções do programa Acelerar a Economia

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

A Associação Empresarial do Minho vê com “bons olhos” as intenções e as 60 medidas expressas no programa Acelerar a Economia, que o primeiro-ministro apresentou esta quinta-feira no final do Conselho de Ministros. No entanto, deixa alguns recados ao Governo.

“O documento manifesta a vontade do Governo de encetar um caminho que nos parece positivo, tendo como ícones matérias que a AEMinho vem defendendo desde a sua fundação, a redução do IRC, a aposta em factores de sustentabilidade como elementos de evolução empresarial, nomeadamente ao nível dos estímulos do ESG”. É assim que Ramiro Brito, esta sexta-feira, resume a análise que a associação faz do programa governamental.

O presidente da AEMinho considera “bastantes positivas” as políticas que o documento aponta sobre o IVA, o incentivo ao investimento e “alguns itens de alívio fiscal, nomeadamente ao nível dos impostos de operações”.

Contudo, lamenta “o esforço “parco” em relação a “um tema central”, que a “redução e o redesenho do sistema fiscal de tributação do trabalho”.

“A redução dos impostos sobre os rendimentos dos trabalhadores é estrutural para o progresso da economia portuguesa, e não vemos esse factor patente neste mapa de intenções”, afirma.

RECADOS

Dá nota negativa à ausência de atenção sobre outro “tema estruturante e essencial” que impacta directamente os salários e a qualidade de vida dos portugueses, “a produtividade”.

“Se não conseguirmos reverter a tendência que temos vindo a concretizar nos últimos anos, Portugal continuará a ser um país onde se trabalha muito, para produzir pouco. Seria, na nossa visão, o tema a tratar para reverter a tendência da nossa economia”, alerta Ramiro Brito.

Referindo que Portuga apresenta taxas de execução orçamental, nos últimos anos, na ordem dos 60%, o patrão dos patrões minhotos defende que “é “imperativo garantir uma maior eficiência de execução orçamental, para que as medidas que venham a estar inscritas em sede de orçamento de estado, tenham efectividade”.

A concluir, Ramiro Brito deixa dois recados ao Executivo de Luís Montenegro. No primeiro, lembra que o país está “num momento decisivo” o que torna necessário “ter a coragem de tomar medidas que, ainda que não tenham efeitos imediatos, possam ter efeitos conjunturais positivos a médio longo prazo”.

Depois, lembra que para as instituições serem eficientes é necessário que os canais de captação de investimento sejam efectivos “e não um entrave à chegada das verbas à economia, tal como tem sucedido nos últimos anos, nomeadamente, pela inércia total da ANI”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

PUBLICIDADE

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
3€ / mês

* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 36€ / ano.