JUSTIÇA

JUSTIÇA -

Tribunal continua julgamento do assalto ao Santander e a vivendas no Minho com 22 pessoas na sala

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Máximo de 22 pessoas na sala e mais oito por vídeo-conferência. Foi esta a norma decidida pelo Tribunal de Braga para a próxima audiência de julgamento, marcada para 12 de Maio, de dez arguidos acusados de assaltos ao banco Santander, de Braga e a várias vivendas no Minho.

O colectivo de juízes concordou com a posição de nove advogados de defesa, a de que «não é possível nem adequado continuar o julgamento por meios electrónicos», disse ao Vilaverdense/PressMinho o jurista João Ferreira Araújo.

PUBLICIDADE

«Os que não manifestaram disponibilidade para intervir por via electrónica e que, vindo a comparecer, excedam a capacidade de lotação máxima da sala principal, acompanharão os trabalhos, e terão neles intervenção, a partir de sala localizada no mesmo piso do edifício, apetrechada com ligação por videoconferência», diz o despacho judicial.

O Tribunal adianta que, «no que respeita às pessoas a inquirir não têm os arguidos, à luz do quadro legal em vigor, legitimidade para se oporem, sem mais, a que a respectiva audição possa realizar-se à distância, contanto que as mesmas disponham de meios técnicos para o efeito».

Acrescenta que, «relativamente às testemunhas que são elementos de órgãos de polícia criminal (OPC), a prestação dos seus depoimentos – em atenção à natureza e extensão dos elementos documentais com os quais poderão ser confrontados, será feita presencialmente».

Conforme o Vilaverdense/PressMinho relatou, o grupo está acusado pelo MP de furtar 4,7 milhões, em dinheiro e bens (sem contabilizar a moeda estrangeira), em dez assaltos a casas na região e ao banco Santander, em Braga.

Os furtos ocorreram em Braga, Ponte de Lima, Arcos de Valdevez e Viana do Castelo.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS