CRIME DE SALAMONDE

CRIME DE SALAMONDE -

Tribunal rejeitou passagem de prisão preventiva para domiciliária de homem que estrangulou a mulher

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O Tribunal de Braga rejeitou o pedido de passagem de prisão preventiva para domiciliária, com pulseira electrónica, feito por Manuel António Fidalgo, de 45 anos, que está a ser julgado por ter asfixiado a mulher, até à morte, a 8 de Março de 2019, no restaurante pertença de ambos, em Salamonde, Vieira do Minho.

A decisão judicial surgiu na véspera de nova sessão do julgamento, que se realizou esta sexta-feira, no Tribunal, com a audição por vídeo-conferência de testemunhas, no caso dois irmãos do arguido.

PUBLICIDADE

Os dois irmãos, de acordo com o relato do advogado de defesa, João Magalhães, contrariam a versão de algumas testemunhas de acusação, nomeadamente dos sogros do arguido, segundo a qual o casal já se dava mal em Inglaterra, onde viveu durante 17 anos.

«Nunca houve qualquer episódio de violência doméstica enquanto aqui estiveram», terão dito as testemunhas, na versão daquele jurista.

O julgamento foi interrompido por volta do meio-dia, devido a uma falta de luz, a qual, embora tenha durado apenas três minutos, obrigaria ao recomeço do processo informático, o que seria moroso. Prossegue, assim, em Maio.

PERIGO DE PERTURBAÇÃO

No requerimento em que pedia a alteração da medida de coacção, entregue ao abrigo da lei 9/2020 que estabelece um “regime de flexibilização de execução das penas e das medidas de graça, no âmbito da pandemia do Covid-19”, o advogado João Magalhães defendeu que não há perigo de fuga, nem de continuação da actividade criminosa, nem, tão pouco, de perturbação da tranquilidade pública.

Alegou, ainda, que o prazo máximo de prisão preventiva termina daqui a 23 dias, quando passar um ano e dois meses do início da prisão preventiva e argumentou, ainda, que a sua passagem para prisão domiciliária ajudaria na educação dos filhos que têm nos bens do pai, «o seu único sustento».

O Ministério Público manifestou-se contra a alteração e o mesmo fizeram, em requerimento, os quatro assistentes de acusação no processo, os dois filhos e os ex-sogros.

Em resposta, o Tribunal diz que, e como se tratou de um crime violento, com pena superior a 12 anos, o prazo da prisão preventiva só termina em Setembro.

Sustenta que, atendendo ao tipo de crime, perpetrado no interior de um casal, a alteração da medida de coacção traria «risco de perturbação da ordem e tranquilidade públicas». Sobre a necessidade de Manuel António Fidalgo ajudar os filhos, lembra que estes disseram em julgamento que já nada têm a ver com o pai.

«Mantém-se igualmente o perigo de fuga», sublinha o juiz, lembrando que trabalhou 17 anos em Inglaterra, onde ainda tem família.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.