REGIÃO

REGIÃO -

Valença quer Lanço da Cruz e Feira dos Santos como Património Imaterial

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

Share on facebook
Share on twitter

TÓPICOS

O presidente da Câmara Municipal de Valença, José Manuel Carpinteira, defendeu a classificação do Lanço da Cruz e da Feira dos Santos como Património Imaterial de Portugal e transfronteiriço.

A intenção do município foi apresentada no encontro internacional ‘A Cultura Imaterial como Elemento de Desenvolvimento Local – o Património Cultural Imaterial desde o Minho Transfronteiriço’, iniciativa promovida pela A.E.C.T. Rio Minho- Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial, que está a decorrer na E.S.C.E. – Escola Superior de Ciências Empresariais.

Este encontro, com representantes de vários países europeus, pretende ser um espaço de intercâmbio e debate sobre as boas práticas na valorização do património imaterial.

PUBLICIDADE

José Manuel Carpinteira defendeu que a Feira dos Santos de Cerdal é mais que uma feira, é um ponto de encontro secular de culturas do norte de Portugal e da Galiza e um referente do património imaterial transfronteiriço”. 

Relativamente ao Lanço da Cruz, o presidente da Câmara de Valença defende a sua classificação “por ser uma das mais emblemáticas e genuínas tradições da Páscoa, envolvendo as comunidades de Valença e Tomiño”.

No encontro o presidente da AECT Rio Minho, Rui Teixeira defendeu o papel da AECT como um agente dinamizador na valorização e potencialização desta região transfronteiriça.

O representante de Portugal na UNESCO, António Sampaio da Nova, referiu que “nasci no rio Minho, em Valença, onde a fronteira e as pontes são pontos de encontro, de culturas abertas desta humanidade comum”.

Share on facebook
Partilhe este artigo no Facebook
Share on twitter
Twitter
COMENTÁRIOS
OUTRAS NOTÍCIAS

Acesso exclusivo por
um preço único

Assine por apenas
2€ / mês
* Acesso a notícias premium e jornal digital por apenas 24€ / ano.